Desafios da drenagem de tórax em situações de urgência e emergência

Urgência e emergência

Os pacientes com piora aguda de sintomas, que necessitam de atendimento em caráter de urgência e emergência, geralmente procuram o Pronto Atendimento/Pronto Socorro para resolução imediata de suas necessidades de saúde. O médico emergencista precisa estar preparado para atender às mais diversas situações críticas.

A piora aguda da função pulmonar pode ter várias causas clínicas (desde infecções, complicações neoplásicas, até traumas torácicos ou ferimentos causados por violência) e pode requerer a abordagem terapêutica invasiva, por exemplo, drenagem de tórax

Os serviços hospitalares que prezam pela qualidade do atendimento e pela segurança dos pacientes, empenham-se em ter à disposição recursos humanos e materiais necessários para o atendimento das demandas de saúde. 

Equipamentos para realização de exames laboratoriais e de imagem que permitam ao médico emergencista avaliar os riscos do procedimento e tratar as possíveis complicações, tais como sangramento estão entre eles.

A avaliação do pulmão do paciente antes e após o procedimento, por meio da realização de um raio-x de tórax é premissa de segurança e de qualidade do atendimento.

Drenos com introdutores

A utilização de drenos com introdutores pode facilitar muitíssimo a realização do procedimento em caráter de urgência e emergência, pois guia a inserção do dreno, diminui os riscos de acidente de punção e permite que médicos que não tenham tanta experiência em drenagem torácica também a executem de maneira mais segura. 

Caso o procedimento tenha que ser realizado em ambiente extra hospitalar (em uma ambulância, por exemplo), a utilização de kits de drenagem geralmente é a estratégia escolhida para otimizar o tempo de atendimento.

Os drenos com introdutores são os mais seguros para serem utilizados “em movimento”. Adicionalmente, favorecem a mobilização do paciente e agregam mais conforto e segurança aos transportes.

A responsabilidade em drenar o tórax, é a mesma por não drenar. Ou seja, o médico emergencista é responsável pelo paciente desde o momento da avaliação da sua condição clínica, passando pela determinação do diagnóstico, pela instituição da terapêutica, pela escolha do material a ser utilizado e pelo desfecho clínico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *